segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Atenção dividida

O fato é:

Como dar atenção necessária ao filho mais velho se o recém nascido querer mais cuidados (inicialmente) somente da mãe? Ó céus...queria me virar em duas e dar a atenção devida aos dois em igual. Talvez isso me faria menos culpada com o primogênito. Mãe sofre, não é mesmo?


Sigam também em : http://agoramaededois.blogspot.com/

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Novo endereço

A partir de hoje, estarei (também) nesse endereço.

Sabe como é...depois que experimentei a delícia de ser mãe de dois, as coisas mudaram por aqui, o que me faz ter outras questões a serem debatidas e outros assuntos latentes dentro de mim. Isso tudo me levou a criar um blog específico sobre o assunto: maternidade. Quem estiver disposto, por favor, me acompanhe nessa viagem sem direito a cancelamentos. E posso dizer: a melhor de todas da minha vida!

Será pra sempre?

Verdade seja dita:


Morro de saudades de São Gabriel. Se parar pra pensar, inevitavelmente, as lágrimas insistirão em sair, meu coração insistirá (igualmente) em doer, minha alma sofrerá, meu peito apertará e uma vontade imensa sentirei em tê-la nos meus dias...

terça-feira, 30 de agosto de 2011

É ou não é uma nojenta?

Hoje fazem dois meses que ela preenche meus dias de amor...

Te amo filha!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Volteiii...

Quanta saudade daqui...
Venho para dar notícias...

Estamos muito bem, eu e Heloisa. Minha pequena princesa nasceu cheia de saúde, graças à Deus.
A verdade é que só tenho a agradecer por tantas bençãos recebidas antes mesmo de sua chegada, foi tudo muito tranquilo e mágico. Ela chegou com estrelinhas caindo do céu e os anjos a trazendo para mim.

As palavras seriam poucas para descrever tudo que aconteceu desde o dia 30/Junho. Senti Deus e Nossa Senhora conosco em todo instante. Os dias tem sido recheados de coisas boas e me sinto plenamente feliz e realizada. Ela veio para me ensinar várias coisas. Estamos felizessss...

quarta-feira, 29 de junho de 2011

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Lado cor de rosa da maternidade

#Casa exala cheirinho de bebê;

#Meu pequeno já se enche de cuidados com a maninha ainda na barriga;

#O mundo parece estender a mão pra você;

#Os sentimentos são melhores sentidos e passamos a valorizar ainda mais os esforços dos outros para conosco;

#Os bebês passam a ser seu foco em qualquer lugar;

#Ligações, recados e mensagens de quem nem esperamos começam a nos surpreender;

#Pessoas que nem conhecemos mandando carinho e boas energias;

#Amizades sendo fortalecidas;

#Novas parcerias sendo formadas;

#Sorrisos e alegrias para receber o outro membro da família com muito amor e dedicação;

#E muitas, muitas pessoas querendo teu bem!


quarta-feira, 15 de junho de 2011

Elogie sua mãe

Culpa, como se sabe, ataca toda gente, mas assume contornos dramáticos nas mães. Mãe e culpa são um binômio quase inseparável, sentimento sine qua non, que chega antes mesmo do bebê: vai sendo armazenada feito peça de enxoval. Ninguém consegue sentir tanta, pelas coisas mais bestas ou mais graves, quanto uma mãe.

Talvez a culpa materna seja proporcional à gigantesca expectativa jogada sobre elas. Deve estar associado também à inesgotável e intrépida capacidade crítica de sogras, vizinho, tias e do jornaleiro – isto é, qualquer um – sobre a atuação da mãe. Todo mundo se sente capaz, apto e encorajado a avaliar o desempenho de uma mãe – ainda que o veredicto venha revestido de comentários inocentes, conselhos zelosos ou dicas despretensiosas.

De um lado, essa indiscriminada disposição julgadora. No canto oposto do ringue (no qual a mãe apanha sempre) está a portentosa avareza de elogios e estímulos dirigidos às pessoas mãe. Vocês já notaram como é raro alguém elogiar sinceramente o ofício? É comum você escutar palpites sobre como Fulana deveria impor limites ao Beltraninho, mas quantas vezes você já escutou alguém dizer: ”Você de mãe, heim? Show de bola!” Ou ”Você arrasa de mãe, sabia?”. O pai pega o filho na escola e pode ouvir de vizinhos (e vizinhas, argh!) o quanto ele é prestativo, o quanto ajuda – enquanto que a mãe se descabela pra dar conta de mil e uma coisas e isso é tido como normal. Vocês sabem: pai que cuida é favor, mãe que rala é default.

Por isso, pessoas, acabo de instituir a Campanha Elogie a mãe, de duração perene e dirigida a qualquer progenitora, seja a sua ou de outrem. Não tem nada a ver com consumismo de dia das mães – embora presente nunca seja uma má ideia – mas com generosidade e atenção para um trabalho árduo que, por ser cotidiano e milenar, passa quase desapercebido, mas não dispensa reconhecimento. Se você admira uma mãe, conte a ela. Se você vir uma delas num gesto ou atitude bacana, elogie, comente. É muito bom quando alguém nos diz que acertamos – porque a gente mesmo nunca sabe.

Autora desconhecida.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Curtas

Meu filho:
_ Mãe como se chama aquilo de significado?

Mãe:
_ Significado? Como assim?

Ele:
_ É...significado! Que uns são águia e outros câncer.

Segundos pro cérebro identificar e...

Mãe:
_ Ah! Signos filho. Signos. E não é águia e sim áries.

Irresitível da minha vida...

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Pura verdade

Lançamento do livro: " Como entender as mulheres." Muito bom, prático e sintético!



Recebi por e-mail e não resisiti!




terça-feira, 3 de maio de 2011

Algumas coisas estão mudando

Verdade!

Quando criei o Palavreado, tive a intenção de simplesmente escrever...coisa que gosto e me faz
um bem e por aqui é ainda melhor, pois a troca com os comentários é algo que sempre vem a somar. É fato que nunca me comprometi a falar sobre determinado assunto e sobre os que não falaria. Não! Sempre falei do que necessitava e os assuntos predominantes foram de sentimentos, saudades... porque é algo que gosto de colocar nas letras e assim me entendo melhor.

Esse blablablá todo é pra dizer que este blog começará a falar bem mais de maternidade, pois meus dias estão recheados dessa realidade. A chegada de outro filho sempre dá o que falar, né? Não quero me tornar cansativa com alguns artigos que, inevitavelemte, sei que vou anexar, com dúvidas e com minha total felicidade por estar passando por tudo isso novamente.

Já sinto que muita coisa mudou aqui dentro e sei que ainda outras novidades virão. Usarei esse espaço pra colocar pra fora aquilo que sinto necessidade. Sei que quem passa por aqui está em uma sintonia diferente da minha, portanto, relevem um pouco essa mais nova e feliz mãe de dois!

E assim vou...


Com o passar do tempo...


Percebi que uma boa conversa acalma a alma;


Percebi que um banho demorado cura quase todos os males;


Percebi que um simples sorriso pode mudar completamente o humor;


Percebi que filhos chegam para colorir a vida;


Percebi que família é toda herança que podemos desejar;


Percebi que pequenos gestos fazem toda diferença e que classe dinheiro nenhum no mundo compra;


Percebi que Deus dá exatamente aquilo que precisamos;


Percebi que passeios pelos parques com minha mãe contribuíram para formar o que sou hoje;


Percebi que lágrimas existem e devem ser derramadas quando houver necessidade;


Percebi que por mais tarefas se tenha, sempre deve haver um tempinho para um café quentinho;


Percebi que um banho quente e toalhas recém lavadas me fazem feliz;


Percebi que minha casa é meu refúgio;


Percebi que orações existem para serem rezadas quando a sintonia com Deus se faz presente;


Percebi que rir sem motivos é melhor que qualquer piada espetacular;


Percebi que cremes, roupas e acessórios servem para levantar o astral;


Percebi que encontrar uma pessoa querida vale mais que achar um tesouro;


Percebi que respeito leva-se tempos para adquirir e confiança é quase um cristal;


Percebi que andar com pés descalços me faz uma pessoa grata à Deus;


Percebi que mal educados não merecem minha atenção;


Percebi que muito posso se carregar Deus em meu coração e fazer Dele meu eterno companheiro;


E, por fim, percebi que de pequenos detalhes a vida se constrói e que deles dependo para me identificar e ser alguém capaz de viver em paz.


segunda-feira, 2 de maio de 2011

Assim eu vou tentando entender...


"A vida reserva surpresas, nem sempre estamos preparados. Na maioria das vezes, somos seguros daquilo que somos e pensamos. Somos capazes de bater no peito e como seres humanos, dizemos que temos as rédeas de tudo que nos acontece. Temos a impressão que tudo vai depender de nossos atos e que na maioria das vezes não precisamos de ninguém para viver em harmonia. Leve e infeliz engano....


Somos de carne e osso...sentimos...sofremos e inesperadamente a vida se mostra o quão frágil, de fato, é. Não tenho dúvidas que o destino dá muitas voltas e que assim como nos acontecem coisas boas, a vida, pode sim, reservar momentos que de primeiro instante nos levam a revolta e num segundo momento nos fazem ter paciência e esperança.


A vida muda, muda a todo instante...


Pessoas chegam para somar...outras fazem valer o oposto.


Acredito que Deus sabe bem o que nos é devido, nós é que temos nosso tempo muito adiante dos planos de Deus..."

domingo, 1 de maio de 2011

Me caiu os butiás do bolso

Vou explicar: esta expressão mencionada acima, usamos no dito popular gaúcho quando as coisas não saem como gostaríamos ou quando algo ou alguém nos decepciona. Enfim...

Usei esta expressão porquê, literalmente, "me caiu os butiás do bolso" quando meu (recente) médico (sim, pois já passei por uns 5 e recém agora um me inspirou confiança para cuidar dessa grávida chata) disse que provavelmente teria de fazer uma cesárea. Porque os médicos são tão adeptos? Juro que passei por um profissional que teve a franqueza de admitir que os planos de saúde pagam muito pouco pelo parto normal. Tá bom doutor, não seja por isso...podemos conversar se o caso for particular? Mas ao mesmo tempo estaria indo contra um monte de coisas que penso, afinal para quê, então pagar um absurdo de plano médico?

Ok...caso passado, já deixei este insensível de lado! O fato é que este último médico do qual gostei já deixou claro que depois de já ter feito uma cesárea, será difícil fazer um parto normal. Infelizmente não é isso que sabemos! Até agora não tenho nada que me impeça disso e pode parecer loucura, mas quero sim, sentir as dores e ter minha filha da forma mais natural e menos agressiva à mim.

Não tenho más lembranças da cesárea, contudo, só o fato de estar em condição de paciente entregue nas mãos de outra pessoa, já me dá arrepios de hospital. Tenho receio que façam algo errado comigo, tenho receio da anestesia e de todo aquele povo pra lá e pra cá vestidos de branco, fazendo sei lá o quê. Entendem?

Falando sério... digo e afirmo que queria sim tentar um parto normal, mesmo que depois que sentisse as primeiras contrações, implorasse para me levarem para a sala cirúrgica e não me deixassem "tintir" nada!

A questão que me deixa impaciente é: Porquê a maioria dos médicos e até pacientes, optam por uma coisa mais complicada? Afinal de contas, cesárea é uma cirurgia. Isso sem contar que a recuperação de um PN é muito mais rápida e podemos em um dia estar em casa. Quer coisa melhor que isso? Deus, por favor não me escute, mas acho que depender do SUS seria a maneira mais certa de não fazer uma cesárea.

Agora, com os butiás já caídos do bolso, peço à Deus que a melhor coisa seja feita para nós duas num dia que certamente será inesquecível.
Ah...só pra constar: já nem coloco mais butiás nos bolsos, isso para que não corram mais o risco de cair!!

Bom domingo à todos!

sábado, 30 de abril de 2011

Pura sinceridade...

Ontem à noite antes de dormir...

_Mãe, teu olho tá roxo.
_Roxo Gustavo?
_É...é do sono!

Umpftt...(certo que minhas olheiras são visíveis, mas roxas?? Será que criança é sempre muito sincera? Preciso urgentemente de uma dermatologista!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

...


Eu vou viver, viver e nunca vou entender porque existe uma distância tão grande entre pessoas que se amam...


quinta-feira, 7 de abril de 2011

...


"Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim, ele saberá o valor das coisas e não o seu preço".

Franzoi



quarta-feira, 30 de março de 2011

...


Minha filha...

Quando penso que em 3 meses nossas vidas mudarão pra sempre e que neste pouco período de tempo, nos encontraremos em definitivo e em definitivo, seremos uma família diferente do que somos hoje, me dá arrepios de ansiedade e alegria!

domingo, 20 de março de 2011

Que judiaria...

Quando criava os maridos, Deus prometeu às mulheres que os maridos ideais seriam encontrados em todos os cantos do mundo.

E depois ele fez a terra redonda...

sábado, 19 de março de 2011

Maternidade

Li este texto e achei interressante a visão sobre a maternidade, salvo algumas modificações feitas sob minha percepção.

"...Eu acho que quanto mais eles crescem, mas vai facilitando pra gente!
Vai facilitando porque eles começam a sentar, depois começam a engatinhar, depois a andar...
Vai facilitando porque não dependem só de leite e vc fica mais livre para algumas saídas...
Vai facilitando porque podem comer outras coisas e porque existe Nestlé e papinhas são vendidas em qualquer farmácia...

Parênteses: ponha a utopia acadêmica idiota de lado e vamos encarar as realidades do dia-a-dia: não dá pra fazer uma comidinha gostosinha, fresquinha, com controle higiênico-sanitário em qualquer lugar e, hoje em dia, meu bem, mulher cuida da casa, do marido, do filho, de si e ainda tem que defender doutorado e escrever artigo em revista qualis A, coisa que nossas avôs nem sonhavam em fazer! Por isso, nestlé sim senhor quando necessário!
Vai facilitando porque não tem mais cólica e as fraldas sujas começam a diminuir...
Vai facilitando porque vem a recreação e o jardim de infância, que ao contrário do que muitos acreditam, não são uma "folga" para a mãe, mas sim um momento de socialização importante para os pequenos cidadãos globais de hoje em dia e de um futuro bem próximo...
Vai facilitando porque eles não dependem tão mais de você e dos seus peitos para passarem o tempo...

Enfim, vai facilitando...

E também,

Vamos nos acostumando...
Nos acostumando a fazer várias tarefas ao mesmo tempo,
A comer mais depressa e com menos atenção,
A não termos tantas horas de lazer,
A não irmos ao cinema tão frequentemente,
A demorar menos tempo para fazermos uma tarefa,
A dormirmos menos,
A acordarmos várias vezes durante a noite só pra ver se "está tudo bem" com todos (e com vc? está tudo bem?)
A sermos chamadas de mãe até mesmo por desconhecidos (principalmente por profissionais de saúde: "olha mãe, seu filho"....),
A andarmos curvadas mesmo quando não há mais dor de parto ou bebês pesados no colo,
A namorarmos menos,
A termos nemos tempo para nós mesmas e para os nossos maridos...
Vamos nos acostumando a várias coisas, muitas das quais não deveríamos nos acostumar, mas vamos acostumando....

E o tempo vai passando.... passando... passando....

E cabe a vc reorganizar a sua vida, a sua nova rotina, as suas novas rotinas e novas prioridades porque...

NUNCA MAIS A SUA VIDA SERÁ COMO ANTES.

É hipocrisia falar que tudo na sua vida irá melhorar. Muitas coisas serão melhores, outras piores, outras indiferentes: somente serão difirentes! mas tenha certeza:
NUNCA MAIS A SUA VIDA SERÁ COMO ANTES.

Por isso, chore, mas não desanime!

Ter um filho é uma experiência muito íntima. Íntima porque só você sabe o quanto aquele pequeno ser está mudando a sua vida, só vc sabe das suas dores internas, dos seus sofrimentos psicológicos, das mudanças que estão ocorrendo, ou ocorrerão, no seu lazer, no seu prazer, no seu trabalho, no seu relacionamento social, enfim, na sua rotina, na sua vida...

Com o homem é diferente. Ele é pai e ponto. Sim... Ele continuará a jogar bola aos domingos, a jogar vídeo game, a trabalhar no horário em que for solicitado... A vida dele continuará a estar em primeiro lugar, enquanto pra vc, a vida do seu filho estará em primeiro lugar....

Você vai se abdicar de compras (quem diria!), de horas de trabalho fora do lar (que serão recompensadas com váarias horas extras extremamentes cansativas de trabalho no lar e noites mal dormidas), de horas de sono e de tantas outras coisas mais....

E, mesmo assim, você vai achar a melhor coisa do mundo ser mãe!
No começo é difícil. É preciso paciência. Paciência não só com o bebê, mas principalmente com vc!!!

Tenha paciência para se encontrar novamente, para se conhecer novamente e para viver esta nova fase da sua vida, que, com toda a certeza, é a mais radical e emocionante de todas elas!

Enxugue o rosto, tome um sol, tenha coragem!

A vida é possível após a maternidade e é bem mais radical e emocionante que antes!"

Texto extraído daqui.

sábado, 12 de março de 2011

...

A vida é feita de escolhas...
De escolhas é feita a vida...
Somos capazes de mudar a vida?
Capazes somos de mudar o trajeto que seguimos?
Caminhos obscuros somos obrigados a seguir?
Caminhos tortuosos somos obrigados a percorrer se escolhas fazemos erradas?
Escolhas erradas, caminhos indefinidos, trajetos mudados a todo instante, mudanças de rota...
Se o futuro prevéssemos,
Poderíamos evitar certas decisões?
Poderíamos evitar certos conflitos?
Poderíamos ser mais certeiros nas atitudes tomadas?
Que o vento de amanhã sobre com mais vigor,
Que as forças da alma renasçam,
Que a alegria reine e que no meio disso tudo o coração ache seu camimho da paz...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Dúvidas de mãe


Aos que aqui passam e me acompanham sabem que estou grávida e muito feliz com minha pequena, sim será uma menina! Tenho certeza que formará um par perfeito com meu amore Gustavo que já está com quase 7 anos. Estou com 5 meses fechados e ainda não comprei absolutamente nada. Descanso demais? Ou estou certa em deixar pra mais tarde? Afff...e se ela resolver vir antes?? Pois é...

A verdade é que não queria ficar por muito tempo com tudo comprado a esperando, acaba gerando uma ansiedade maior ficar por meses a fio aguardando a dona do quarto, das roupas, do carrinho, enfim...de todo aquilo que se é necessário ter.

E vocês o que pensam?

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Amizade

Nessa vida é tudo muito engraçado. Têm pessoas que passam por nossas vidas e nada acrescentam. Têm pessoas que passam e deixam marcas amargas, lembranças tristes e o que mais desejamos é que este pedaço de tempo vivido seja deixado bem queitinho, de preferência que faça parte de uma história que se perdeu na memória. Se persistirmos nelas, inevitavelmente, elas nos sufocarão e o sofrimento se fará presente.

Agora venho falar de pessoas boas que conhecemos e que por ironia do destino não se fazem mais presentes em nossas vidas. Falo dos grandes amigos que ganhamos ao longo da vida. E estes por mais que tentemos entender o porquê de tanta empatia, torna-se difícil dar razões que somente o coração tem poder. É algo involuntário que se transforma dentro de nós. Amizade que não se perde no tempo e por mais longe que se viva destas pessoas, o carinho e o respeito estarão presentes a cada pensamento. É dar e não querer receber nada em troca. É confortante sentar-se ao lado e não precisar dizer nada e assim mesmo fazer-se entendido. É ter sintonia suficiente para saber o que o outro pensa, sem que nada seja dito. É ter vontade de estar junto, é ter valores parecidos, é rir das mesmas besteiras e preocupar-se com os mesmos problemas. Amigo é aquele que não precisa de rodeios e sabe que mesmo discordando de suas certezas, nada afetará na relação de vocês.

Por um bom tempo pude conviver e infelizmente hoje vivem longe dos meus olhos. Vivem longe do que posso tocar. Isto é a vida...feita de eternas escolhas, feita de ruas, becos, labirintos. Uns sem volta, outros sem destino algum e outros que nos levam onde existem flores.

O que peço à Deus é que um dia nossos destinos se cruzem novamente e que juntos ainda possamos nos divertir com as velhas e mesmas bobagens de sempre!

Um brinde à todos que sabem do que estou falando!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

AMOOOORRRR

"Eu não encontrei alguém que me completa. Porque "completar" é pouco. Eu encontrei alguém que me transborda! (Fabrício Carpinejar)